O dedo em gatilho ocorre quando as polias da base do dedo se tornam espessadas o suficiente para apertar o tendão e impedir o seu deslizamento suave. É uma diferença entre a capacidade do túnel e o volume do tendão.

O tempo de recuperação corresponde, na maioria dos casos, aos 10-12 dias até retirar os pontos. Após esse período, apenas são necessários os cuidados de pele a nível da cicatriz, podendo o doente regressar progressivamente às atividades normais, sem limitações.

Em casos leves, o tratamento é simples: repouso, uso de tala, gelo e massagem no dedo com tendão inflamado já devem amenizar a dor. Já nos graves, o médico pode receitar anti-inflamatórios, injeção de esteroides ou até mesmo cirurgia.

O dedo afetado pode causar um edema (aumento de volume), limitando os movimentos e causando dor nos tendões flexores. O surgimento de nódulo acompanhado da progressão da doença, é o que acaba causando o “travamento” dos dedos.

Colocar a mão apoiada numa superfície plana e levantar o dedo afetado até ao máximo que se conseguir, mantendo o alongamento nesta posição, durante 15 a 30 segundos. O exercício deve ser repetido 3 vezes e também para os restantes dedos.

Tratamento. Uso de um anti-inflamatório de longa duração (como a betametasona de depósito intramuscular) e alongamentos devem ser considerados como a primeira opção de tratamento.

Quando a bainha do tendão se estreita (devido a uma irritação, inflamação ou inchaço), o próprio tendão não consegue se mover com facilidade. Em outras palavras, os dedos, ao serem flexionados, puxam o tendão através da bainha. Esta, por estar estreitada, dificulta o movimento e provoca, ocasionalmente, os estalos.

Tratamento cirúrgico para dedo em gatilho
Para isso, o procedimento consiste em realizar uma pequena incisão na palma da mão, perto do local inflamado, e intervir no tendão. Essa intervenção permite a liberação da região bainha do tendão, o que elimina a estenose que impedia o deslizamento correto do tendão.

O diagnóstico é essencialmente clínico. Geralmente não são necessários exames ou meios auxiliares de diagnóstico. Em caso de dúvida, a ecografia (ou ultrassonografia) de partes moles ou ressonância magnética podem ser úteis para o diagnóstico.

Inflamações no tendão podem levar a dor e dificuldade no movimento. Quando isso acontece nos dedos, causa a tenossinovite estenosante, também conhecida como dedo em gatilho. Assim, no momento em que os sintomas aparecem, é preciso buscar auxílio médico.

O dedo em gatilho é facilmente identificado através de um minucioso exame clínico feito por um ortopedista especialista em mãos.

“Ela pode ser resultado de infecções, traumas ou doenças autoimunes”, explica o reumatologista Ari Halpern, do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo. A artrose, por sua vez, é uma degeneração que começa na cartilagem entre as juntas e os ossos, processo que dificulta a movimentação.

Artrite. A artrite, que pode ser classificada em osteoartrite e artrite reumatoide, é uma das principais causadoras de dores nas juntas dos dedos das mãos ao acordar. Basicamente, a condição consiste na inflamação das articulações com presença de dor, inchaço e rigidez.

Dobre todos os dedos até que suas pontas toquem o meio entre os dedos a palma (formando um quadrado com os dedos), depois estique todos (figura na sequência 1 para 2). Faça isso 10 vezes e repita tudo mais 2 vezes.

Eis algumas das medidas a adotar:

  1. Limpe e desinfete bem o local.
  2. Aplique compressas quentes várias vezes por dia.
  3. Aplique soluções tópicas e tome os medicamentos prescritos pelo médico.
  4. Em caso de abcesso, pode ter de se submeter a uma incisão e drenagem cirúrgica.

No caso do dedo em gatilho, o tendão inflamado pode se mover para fora da bainha na flexão do dedo. No entanto, quando um tendão está muito inchado, ele não consegue voltar para dentro da bainha ao se tentar estender o dedo e, assim, o dedo fica travado.

Quais as causas da tenossinovite? Existem muitas causas para a tenossinovite. Uma das principais é a existência de uma outra lesão que tenha afetado esse mesmo tendão anteriormente, como as que são causadas por traumas e quedas. Por conta da lesão, progressivamente, o paciente pode desenvolver a tenossinovite.

É fundamental entender que os nervos podem sim se regenerar, mas isso acontece de forma muito lenta e nem sempre 100% eficiente. O processo pode levar meses a anos e depende da gravidade da lesão.

Os sintomas mais comuns incluem dor, inchaço e movimento articular limitado na base do dedão do pé. Os sintomas desenvolvem-se lenta e gradualmente, piorando com o tempo se a lesão for repetitiva. Se for causado por um movimento forte e súbito, a lesão pode ser dolorosa imediatamente e piorar em 24 horas.

A inflamação é a resposta de proteção normal do corpo a uma lesão. Ocorre quando os nossos glóbulos brancos lutam para nos proteger de uma infecção, por exemplo por bactérias ou vírus.